domingo, 18 de abril de 2010

1º Ano - TROVADORISMO II


TROVADORISMO
(1189/98 – 1434)
 




A POESIA MEDIEVAL PORTUGUESA


O marco inicial da poesia medieval portuguesa é com Canção da Ribeirinha de Paio Soares de Taveirós, é considerado o mais antigo texto escrito em galego-português: 1189 ou 1198, portanto fins do século XII. 


Cantiga da Ribeirinha

No mundo nom me sei parelha
Mentre me for como me vai,
Ca já moiro por vós e ai!
Mia senhor branca e vermelha,
Queredes que vos retraia
Quando vos eu vi em saia.
Mao dia me levantei
Que vos entam nom vi fea!

E, mia senhor, des aquelha
Me foi a mi mui mal di’ai!
E vós, filha de dom Paai
Moniz, e bem vos semelha
D’aver eu por vós guarvaia,
Pois eu, mia senhor, d’alfaia
Nunca de vós ouve nem ei
Valia d’ua correa.
 
......................................................................


Cantiga da Ribeirinha (Tradução)

No mundo ninguém se assemelha a mim 
Enquanto a minha vida continuar como vai 
Porque já morro por ti e ai!
Minha senhora de pele alva e faces rosadas,
Quereis que eu vos descreva (retrate)
Quanto eu vos vi sem manto
Maldito dia que me levantei
Que não vos vi feia!

E, minha senhora, desde aquele dia
Tudo me foi muito mal
E vós, filha de don Pai
Moniz, e bem vos parece
De ter eu por vós roupas luxuosas
Pois eu, minha senhora, como mimo
De vós nunca recebi
Algo, mesmo que sem valor.

0 comentários:

Postar um comentário